terça-feira , 17 de julho de 2018
Início / Notícias / Depressão mata em Araioses!

Depressão mata em Araioses!

Resultado de imagem para iml

Depressão: doença grave, não escolhe idade, nem lugar e pode matar!

Em julho, uma jovem de 23 anos, de Suzano, foi vítima de depressão e tirou a própria vida. Assunto é muito sério
A depressão é uma doença grave que, muitas vezes, não é possível notar e nem é levada a sério, podendo causar a morte de quem é diagnosticado com esse problema. A depressão mata, e mata aos poucos. É um diagnóstico que faz a pessoa perder a vontade de viver e até cometer o suicídio. Mas a morte causada pela depressão, nem sempre é o suicídio. Tem casos de pessoas que se entregam a essa melancolia profunda, trazendo como reflexo os sintomas físicos, desencadeando, então, doenças cardíacas e até câncer.
A pessoa depressiva precisa, sim, de atenção e tratamento. “Depressão não é frescura”. Esse é o alerta de uma mãe que passou momentos de tormenta durante o tratamento da filha que foi diagnosticada com depressão aos 19 anos. Foram quatro anos de luta. A empresária Ana Rosa Augusto perdeu a filha precocemente. Vítima de depressão, Ana Luisa, interrompeu a própria vida e todo o sofrimento que vivia com apenas 23 anos.
Embora ela tenha sido diagnosticada com depressão aos 19 anos, Ana Luisa já guardava um trauma desde os 10 anos de idade, quando sofreu abusos sexuais dentro de uma escola particular em Suzano, por um adolescente de 16. Mas ela não teve coragem de contar à família. Guardou esse segredo por quase dez anos.
Ana Rosa conta que começou a perceber a filha diferente no último ano da faculdade. A princípio, a família acreditava que a jovem estava se sentindo pressionada com os intensos trabalhos da faculdade e com o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Mesmo assim, a mãe não ignorou e a levou a várias consultas médicas. “Ela sentia dores no peito e chegou a ter desmaios. A levamos para um neurologista. Ela fez exames e não aparecia nada de anormal. Até que o médico nos aconselhou a procurar ajuda psicológica”, lembrou. A menina passou por diversos profissionais até se identificar com uma psicóloga, com quem sentiu confiança de contar o trauma em que viveu na infância. Foi só aí que a família descobriu a agonia em que a jovem viveu por todos esses anos.
A partir daí, Ana Luisa passou a fazer todos os tratamentos possíveis para combater a depressão. Tudo que aparecia de mais moderno para livrar a menina desse sofrimento foi feito.
“Ela se queixava de muitas dores no peito. Tinha vezes que eu conseguia ver o coração dela batendo. Era uma dor insuportável”, relatou a mãe. “Tinha períodos em que a Ana ficava três, quatro dias de cama, sem querer se alimentar. Só quem conviveu com alguém que tem depressão sabe como é”, disse Ana Rosa. Ela ainda contou que nos últimos dias de vida da jovem ela dormia com a mãe, pois tinha pesadelos todas as noites e as lembranças daquela fase de abusos vinha à tona. “Tinha dias que ela me falava, ‘mãe, não aguento mais isso'”.
Ana Rosa ainda alertou para a importância do assunto ser debatido, pois nem todos têm acesso à informação sobre a doença e o tratamento é muito caro para quem tem poucas condições de arcar com os custos de medicamentos e profissionais. “A depressão é uma doença que mata e tem que ser levada a sério. No caso da Ana Luisa, foi causada por um trauma”.

(Continua depois do anúncio)

----Fim do anúncio----

EDNA ZUNIGO RECOMENDA PROCURAR AJUDA LOGO NO INICIO

Por dia, 30 pessoas tiram a própria vida

Setembro é o mês da campanha de prevenção ao suicídio e o Brasil é o oitavo país em números absolutos, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Em 2012, foram registradas 11.821 mortes, cerca de 30 por dia – a maioria de homens (9.198). Neste mesmo período, 2.623 mulheres tiraram a própria vida. A ABP ainda divulgou que, pelo menos, 17% dos brasileiros já pensaram em dar fim a própria vida.
Ainda de acordo com a associação, o suicídio entre jovens aumentou em todo o mundo nos últimos dez anos. No Brasil, essa é a terceira causa de morte nessa faixa etária. O abuso sexual na infância, problemas sociais e familiares, além de transtorno psiquiátrico estão entre os principais motivos que levam a depressão de jovens que podem chegar ao ponto de atentar contra a própria vida, segundo estudos da ABP.

Suicídio é maior entre os jovens

A maior parte dos casos de suicídio ocorrem entre jovens com até 25 anos, segundo a psiquiatra Edna Zunigo. “E 95% dos suicídios seriam evitados se tivessem procurado ajuda”, alertou a especialista ressaltando que a doença pode ser grave e não escolhe idade.
A psiquiatra explicou que há três fases em que a depressão pode se manifestar. “Há casos de crianças de 9 anos com traços de depressão. Geralmente, elas se queixam das exigências dos pais, daquilo que eles esperam dos filhos. A segunda fase é na adolescência, quando surgem as primeiras mudanças no corpo, não se sabe se é criança ou adulto e tem aquelas necessidades que não são compreendidas”, explicou. A profissional ainda lembrou que o diagnóstico pode se desencadear na fase adulta. “Pode haver uma pré-disposição a depressão, mesmo sem ter surgido na infância ou adolescência. A depressão pode aparecer num momento de perdas de pessoas ou materiais e a pessoa pode não saber lidar com isso”.
Nem sempre é possível identificar um estágio depressivo, pois os sinais são bastante sutis, segundo Edna. Ela ainda destacou que a depressão pode causar sintomas físicos. “A pessoa fica mais calada, tem dificuldade de concentração, que pode até prejudicar a memória. Além disso, o paciente pode sentir dores no corpo, indisposição, perde a energia, tem enjoos e tonturas, além de ter a coordenação motora prejudicada”, revelou.
A psiquiatra informa que existem três estágios da depressão; a leve, a moderada e a aguda. Ela alertou para a importância de procurar ajuda logo no início. “A depressão não tem cura. O que existe é a estabilidade da depressão, mas se não souber lidar com algum problema que aparecer, isso pode voltar à tona”, contou. “Existe a depressão sem suicídio, mas não existe suicídio sem depressão. A pessoa somatiza todos os problemas, a levando a depressão e não busca ajuda. Ela pode não suicidar-se, mas existe o suicídio da alma, afeta os órgãos, pode causar pressão alta e até câncer, além de taquicardia. O suicídio da alma é quele que a pessoa se entrega”.

“O INTUITO DESSA POSTAGEM É FALAR UM POUCO SOBRE UMA DAS DOENÇAS DO SÉCULO, E CONSCIENTIZAR NOSSOS LEITORES QUE A MESMA NÃO ESCOLHE PESSOA, NEM LUGAR. O FATO DE RESIDIRMOS EM UMA CIDADE PEQUENA NÃO TORNA POSSIBILIDADE DE SE TORNAR DEPRESSIVO, NULA!” – Isaac Carvalho
O que achou do conteúdo dessa postagem? Comente rolando para baixo! (Você pode comentar usando a sua conta do Facebook ou do Google!)

Com informações de PortalNews.com.br
Imagens: Portal News
Edição: Panorama Araiosense/ Isaac Carvalho

Sobre Jonatan Aguiar

Jonatan Aguiar
Nascido em Praia Grande-SP, moro em Araioses desde 2002. Sou repórter e Diretor Geral do Portal Panorama.

Veja também

Vereadores de Araioses visitam Assembleia Legislativa e Palácio da Justiça em São Luís, na tentativa de dar continuidade à CP que investiga Cristino

Uma comitiva com os 13 vereadores de Araioses, advogados, ex-vice prefeito de Araioses, Mano Gonçalves, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open