sábado , 20 de outubro de 2018
Início / Notícias / Maranhão / Juiz determina reintegração de área invadida ao seu legitimo dono em Imperatriz

Juiz determina reintegração de área invadida ao seu legitimo dono em Imperatriz

Bom Jesus (foto: reprodução/G1)

A Justiça determinou a reintegração de posse de uma das maiores áreas de invasão em Imperatriz-MA, há 626 km da capital São Luís. A área pertence a uma empresa e é ocupada desde 2015 por mais de 2500 famílias.

A área que ficou conhecida como invasão do “Bom Jesus” pertence a uma empresa que acionou a Justiça duas vezes exigindo a reintegração de posse. Os donos ganharam o processo e agora uma nova liminar também deu decisão favorável a empresa.

(Continua depois do anúncio)

----Fim do anúncio----

Em agosto de 2017 a Justiça determinou a reintegração de posse da área, mas a decisão acabou sendo cancelada. Agora, uma nova decisão determina que as pessoas que vivem na região deixem o local.

O Tribunal de Justiça do Maranhão já comunicou ao juiz titular da 3ª Vara Cível de Imperatriz, José de Ribamar Serra, sobre a determinação. Segundo o juiz, o processo que se refere à invasão já foi transitado, julgado e não cabe mais recurso. A determinação é para que as famílias sejam retiradas da área.

“Tudo isso tem que ser feito dentro de uma cautela, dentro de um preparo muito minucioso porque nós temos que visar a segurança e a integridade daquelas pessoas que estão ali. Agora o que eu posso dizer que é uma decisão judicial de nível superior e a mim só cabe a cumprir porque se eu não cumprir essa decisão eu posso até ser punido por descumprir uma decisão hierarquicamente superior”, pontuou o magistrado.

A previsão para reiteração da posse do terreno invadido ainda está sendo definida pelo juiz da 3º Vara Cível.

Com informações: G1/MA

Sobre Mateus Coutinho

Mateus Coutinho
Tenho 19 anos e moro em Araioses-MA. Sou redator e diretor comercial do Portal Panorama.

Veja também

Campanha: #VoteConsciente

O voto é exercício pleno da cidadania, além de ser a manutenção da democracia brasileira. …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open